Início

Tese e
Dissertação

Artigos

Livros

Entrevistas

Resenhas

Prosa

Fotos

Links

 

MORAES, Pedro Sá; LOSSO, Eduardo Guerreiro Brito. Música Chama. Rio de Janeiro: Circuito, 2016.

A crítica e a criação na música popular brasileira contemporânea vivem um impasse. Anos de relativismo culturalista ofuscaram experimentações estéticas mais vigorosas e inventivas. Por outro lado, tentativas de retomada dos gostos culturais da pequena burguesia como parâmetro crítico têm se mostrado tanto conservadoras numa dimensão social quanto redutoras e superficiais no âmbito da estética. Ambos não conseguem conviver com uma arte que instaura negatividades inconciliáveis e interrompe a cultura, inclusive a do “bom gosto” pequeno-burguês.
E é justamente esta a arte que interessa ao Coletivo Chama. Eles vêm criando fusões instigantes entre variações da estética do ruído, que esgarçam a forma-canção, e variações de uma estética da palavra, que mantém a forma canção como horizonte da criação, criando uma música de invenção, de ponta, ancorada numa refinada poética da canção, que faz jus à excelência da tradição do nosso cancioneiro e dá um passo além. É por conta disso que os seus artistas conseguem ser mais contemporâneos que a maior parte dos seus contemporâneos.

PEDRO SÁ MORAES é cantor e compositor.
EDUARDO GUERREIRO BRITO LOSSO é professor de Teoria da Literatura da UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

LOSSO, Eduardo Guerreiro Brito. Ciranda da Poesia - Renato Rezende por Eduardo Guerreiro B. Losso. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

Eduardo Guerreiro B. Losso, professor de teoria da literatura, analisa a poesia de Renato Rezende, ganhador do Prêmio Alphonsus de Guimaraens, da Biblioteca Nacional. O cuidado formal com a língua, a busca existencial e o engajamento contracultural são características da poesia de Rezende, que faz parte da geração de poetas dos anos 1990. O leitor encontrará na antologia poemas de livros como Passagem, Ímpar e Aura.

EDUARDO GUERREIRO BRITO LOSSO é professor de Teoria da Literatura da UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

PUCHEU NETO, Alberto; LOSSO, Eduardo Guerreiro Brito (Org.). O carnaval carioca de Mário de Andrade. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2011.

O carnaval carioca de Mário de Andrade estabelece como ponto de partida o modernismo brasileiro, criador de um corte fundamental em nossa história e precursor do que veio a seguir. Este livro possibilita um diálogo interdisciplinar entre poesia, crítica, teoria literária, filosofia, história, mística secularizada moderna e comparatismo, decorrente do primeiro ano de trabalho do Grupo de Pesquisa Poesia Brasileira Contemporânea.

ALBERTO PUCHEU é professor de Teoria da Literatura da UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro.
EDUARDO GUERREIRO BRITO LOSSO é professor de Teoria da Literatura da UFRRJ - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

SIEBER, Cornelia; LOSSO, Eduardo Guerreiro Brito; GRONEMANN Gronemann (Org.). Diferencia minoritaria en Latinoamérica = Diferença minoritária na América Latina. Zürich: Georg Olms, 2008.

A noção de ‘diferença minoritária’ inaugura a possibilidade de uma percepção polivalente das sociedades atuais que se encontram marcadas pelos fenômenos de globalização e da migração. Podemos considerá-las, seguindo as reflexões do teórico cultural Homi Bhabha, como conjuntos sociais tecidos por múltiplas e dinâmicas relações de seus sujeitos que constituem comunidades parciais, com delimitação temporal. As contribuições do presente volume se aproximam, por esta perspectiva, a um complexo de questões que entrelaçam as noções de gênero, nação, raça e classe tanto no discurso sociocultural como nas expressões artísticas e populares de distintas regiões latino-americanas. Nestes fenômenos evidencia-se a indissolubilidade dos diversos níveis de ‘diferença minoritária’ que resultam do entrecruzamento das multifacetadas experiências da diferença. As estratégias geradas na América Latina, que operam desde a polifonia e a interação em vez de norma e assimilação, podem ser consideradas, nesse sentido, como ponto de partida para enfrentar os desafios de uma futura sociedade global.

La noción de ‘diferencia minoritaria’ inaugura la posibilidad de una percepción polivalente de las sociedades actuales que se encuentran marcadas por los fenómenos de la globalización y la migración. Podemos considerarlas, siguiendo las reflexiones del teórico cultural Homi Bhabha, como conjuntos sociales tejidos por las múltiples y dinámicas relaciones de sus sujetos que constituyen comunidades parciales y sólo de forma temporal. Las contribuciones del presente volumen se aproximan, desde esta perspectiva, a un complejo de cuestiones que entrelazan las nociones de género, nación, raza y clase tanto en el discurso sociocultural como en las expresiones artísticas y populares de distintas regiones latinoamericanas. En estos fenómenos se evidencia la indisolubilidad de los diversos niveles de ‘diferencia minoritaria’ que resultan del entrecruzamiento de las multifacéticas experiencias de diferencia. Las estrategias generadas en Latinoamérica, que operan desde la polifonía y la interacción en lugar de norma y asimilación, pueden ser consideradas, en este sentido, como punto de partida para enfrentar los desafíos de una futura sociedad global.

CORNELIA SIEBER é assistente de cátedra do Instituto de Romanística e membro do Centro de Investigação Ibero-Americana da Universidade de Leipzig.
EDUARDO GUERREIRO BRITO LOSSO é docente pós-doutor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e bolsista da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro.
CLAUDIA GRONEMANN é catedrática designada do Instituto de Romanística da Universidade de Mannheim.

 

Contatos | edugbl@msn.com